Humanos, por padrão, tendem a se agrupar, não importa qual seja a situação. A um certo ponto, raça, classe, gênero, religião ou qualquer divisão social superficial parece desmoronar quando há milhares, se não milhões, de pessoas no mesmo lugar ao mesmo tempo. O que tende a acontecer é que as pessoas tendem a se agrupar em escolas de pensamento (muito parecidas com cardumes de peixes) com pouco raciocínio em mente. Se existe algo que a história nos ensinou, é que todo mundo fazendo a mesma coisa é uma coisa ruim por correr o risco de estagnação. Design e as artes correm muito risco da mesma estagnação; design gráfico em particular. Com o Photoshop e outros recursos de CAD (desenho assistido por computador) tornando-se amplamente disponíveis, o campo do design gráfico, web design e design de impressão estão todos em perigo de se tornar um hobby. A fotografia digital acoplada a sites de mídia social parecia “matar” a fotografia criativa como uma forma de arte real. Design gráfico não é diferente, e é muito mais fácil ver os efeitos reais desta tese em um lugar como Nova York.

A cidade de Nova York, especificamente Manhattan e Brooklyn, é o lar de milhões de pessoas que estão constantemente esbarrando umas nas outras, seja de propósito ou devido ao transporte em massa. Essas pessoas, gostem ou não, são forçadas a interagir umas com as outras e a ter alguma forma de troca social. Essas interações e trocas, embora pequenas, criam uma rede que transforma facilmente a populosa cidade de Nova York em uma multidão homogênea de pensamento e ação. Entre esses milhões de pessoas, milhares de artistas e designers se comunicam entre si e criam novas ideias. Isto é uma coisa boa; O que torna isso um pesadelo é que esses artistas, designers e instituições criativas estão procurando ideias uns dos outros e não tentando encontrar fontes externas de inspiração.

Todos estão reinventando a mesma roda que deixa pouco espaço para a evolução criativa. O design gráfico é uma das muitas coisas que sofrem com isso; com centenas de estudantes de design gráfico formados em várias faculdades de artes em Nova York, é fácil ver que eles estão procurando por esses estúdios de design baseados em casa para inspirações e empregos. Uma estimativa aproximada pesquisada no campo diz que 75% de todo o design gráfico na cidade de Nova York parece o mesmo não porque estamos vendo os mesmos anúncios de novo e de novo, mas porque designers e artistas estão seguindo os mesmos estilos, princípios e diretrizes criado dentro da comunidade, em vez de explorar novos locais de criatividade. Desviando o olhar da maioria, podemos nos concentrar nos 25% do design gráfico de Nova York que quebra as regras convencionais e busca novas formas de criatividade e publicidade. A maneira mais fácil de encontrar a pequena porcentagem é pesquisando em blogs de design criativo que tendem a oferecer comentários honestos sobre design e arte.